quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Episódio 242- Admirer Voyages !





Victória saiu da tubulação e entrou na sala. Rápidamente, desmontou o painel técnico do aparelho, e com suas ferramentas eletrônicas, começou a destruir o aparelho por dentro, para que não só ele parasse de bloquear os sinais, como também, ele não pudesse mais ser usado.
Sendo ela uma eficiente especialista, terminou seu serviço em apenas três minutos. Fechou o painel e Dina a ajudou a subir de volta.
-Pronto, agora tanto os sinais de teletransporte como os de comunicações foram desbloqueados e podemos pedir para minha irmã nos transportar !
-Não tão cedo, mocinha!
-Mas era este o plano da Imediata...
-A Capitã pirata mantem em seus calabouços diversas escravas sexuais aqui na nave. Vamos libertá-las e aí sim, subiremos todas a bordo da Admirer !
-Mas Capitã, eu tinha conseguido, com interferência eletrônica enganar o computador e os sensores, mas os piratas não serão enganados por muito tempo, e perigoso !
-É uma ordem expressa, Alferes!
-Sim, Senhora...
-Primeiro preciso avisar a Amber ! Vou usar seu comunicador, já que a Capitã Pirata apreendeu o meu.
-Sim, senhora !
-Alô, Amber, aqui é a Capitã, falando do comunicador da Alferes Victória !
-Sim, Capitã, nós já iremos teletransportá-las !
-Não, espere! Há prisioneiras nesta nave, que vamos libertar, só nos teletransporte quando eu mandar !
-Sim, Capitã !
-Dina desligando !Victória, me dê seu sensor de mão, vamos encontrar o calabouço !
A alferes obedeceu.
-Está a oito decks abaixo, mas não poderemos ir pelas tubulações. Vamos ter de sair perto do elevador, e descer pelas escadas do tubo de elevador até chegarmos lá !
-Mas é suicídio, Capitã, se um elevador passar subindo ou descendo, nos matará facilmente ! E  mesmo que não nos atinja, o deslocamento de ar pode nos fazer cair de uma altura de mais de vinte e quatro metros, ou seja, uma queda fatal !
-Não há outra alternativa, Victória! Oras, isto aqui é uma aventura, e que graça uma aventura teria se não tivesse risco de vida?
-Uóoo !Uóooo ! Alerta Vermelho, Alerta Vermelho !
Era o alarme da nave soando !
-O efeito da minha gambiarra acabou, nos acharam !
-Então vamos correr, Alferes!
Elas logo acharam o elevador, após breve corrida.
-Espere, não chame o elevador, eles podem estar dentro. Abra o painel dele e faça ele abrir as portas, depressa!
-Sim, Capitã!
Victória abriu o painel e fez uma gambiarra e as portas se abriram.
Elas contemplaram o buraco fundo e escuro.
-Venha comigo !
Disse Dina, encontrando os degraus e começando a descer.
-Estou ouvindo o barulho do elevador, ele está descendo, Capitã !
-Todo poço de elevador tem seus recuos de manutenção, entre cada deck, não tem?
-Tem sim!
-Achei um, vamos ficar nele até o elevador passar!
Elas entraram no recuo, que era uma rrentrãncia de setenta centímetros de comprimento por um metro.
-Mas, e o deslocamento do ar?Pode nos jogar no buraco!
-Todo recuo de manutenção tem um armário, onde guardam luvas magnéticas, vamos encontra-lo !
-Achei, e encontrei as luvas!
-Vamos vesti-las e as mantenha bem apertadas. Agora apoie suas mãos nas paredes com as luvas e se segure firme, ele já está chegando!
Foi quando o elevador passou.O vento foi tão forte, que elas ficaram na horizontal por alguns segundos, e depois voltaram ao normal .
-Uff, esta foi por pouco !

(Por Continuar)

Episódio 183-Sensibilidadede Viver:Interlúdio ETP




Lune passou quase a manhã toda lendo Schopenhauer.
De pouco adiantaram as tentativas de Mercedes de conversar com ela, pois ela ficava incrivelmente concentrada e entretida no livro e nem a escutava.
Porém , agora já era meio dia, e o estômago de Lune roncou, e aí sim, ela fechou o livro.
-Vamos almoçar !E de lá, iremos para Akihabara !
-E eu tentando conversar o tempo todo com voc~e e você me abandonou, nem parecia que eu existia, mas que companhia você é, heim, Lune-san?
-É simples: ou é do meu jeito, ou é de jeito nenhum, simples assim. Se não está satisfeita comigo...
-Ninguém nunca te disse que você precisa aprender a cultivar suas amizades?
-Ninguém nunca te disse que você precisa respeitar o jeito de ser das outras para manter suas amizades?
A resposta de Lune surpreendeu a amiga.
-É...é que ...você precisa ser um pouco mais social...
-E voc~e precisa ser um pouco menos...
-Ai, desisto, você não me entende mesmo, Lune-san!
-Ou não seria você quem não me entende?Por que só eu preciso entendê-la e você não precisa me entender?
-Ai, esquece, vamos almoçar logo de uma vez, que este papo está demais para minha cabeça !
Na verdade, Mercedes escondia que estava bastante magoada...
Lune se levantou da espreguiçadeira, e sua amiga também.
Por breves instantes ficaram uma olhando para a outra em silêncio, quando de repente Lune foi surpreendida por um abraço de Mercedes, que explodiu em um choro convulso.
Todo mundo ficou olhando, e Lune ficou sem saber o que fazer.
Ela queria se desembaraçar da amiga, mas não tinha coragem.Foi quando olhou em volta e interpretou o que os olhares diziam silenciosamente: “-Elas são lésbicas!”
Lune, com sua típica atitude de desafiar quem a estranhava, não teve dúvidas: puxou a cabeça de Mercedes por trás pelos cabelos, para trás, e, repentinamente mergulhou sua boca na dela num beijo escandaloso, e colocou suas mãos no traseiro dela, tudo ao mesmo tempo!
Agora foi a vez de Mercedes se espantar, e ficar de olhos arregalados, enquanto as línguas se entrelaçavam.
Ela fechou os olhos então e se deixou levar.
Com o canto do olho então, Lune percebeu que um segurança vinha se aproximando delas.
Elas terminaram o beijo e correram de mãos dadas para o quarto delas.
Ao chegar lá:
-Vamos nos arrumar depressa, antes que venham nos torrar a paciência!
-Ai, Lune-san, deste jeito me apaixono por você...
-Anda, anda, não temos tempo, depressa!
Disse Lune, corada de vergonha.
As duas se trocaram e quase que voaram até a garagem e saíram com o carro.
Enquanto isto, em Sakura City, já havia ordem de prisão expedida tanto para Rio como para Kotomi, e ambas estavam sendo procuradas.
A esta altura as duas já tinham se encontrado e planejavam suas vinganças.
E no momento, estavam no escritório de uma filial de uma grande corporação, a maior rival do Grupo Soryu, e reunidas diretamente com o Presidente desta corporação:
-Senhoritas, sou a Senhora Tomasaki e sou a secretária e assessora do Presidente da Watabane Corporation, o Senhor  Ryuhiro Watabane, que acaba de chegar!
Um senhor idoso, de cabelos grisalhos, quase brancos, com longas costeletas no rosto, mas sem barba, e já meio calvo,mas tremendamente obeso, com um charuto na boca, entrou, exibindo seus olhos com profundas olheiras escuras, as sombrancelhas grisalhas unidas uma com a outra, e seu olhar determinado e maléfico.
-Oi, Tio, que bom revê-lo !
-Guarde sua falsidade para os outros, Kotomi !Eu tenho há muito tempo tolerado suas falhas e tido muito prejuízo tirando você da cadeia!
-Ah, sim, tio, neste caso posso contar para a Tia Miku Watabane aquela transa que tivemos outro dia, e de como o senhor não conseguiu dar conta de mim, nem do meu fogo...
-Ahaaaaaam !Mais respeito, deixe minha esposa em paz ! Vamos tratar de negócios !Aliás, nunca é demais lembrar que paguei regiamente por aquela noite, minha sobrinha prostituta...e está cheio de gente que adoraria saber que voc~e roda bolsinhas para grandes empresários, e que você está mais arrombada do que cofre que enfrenta assalto a banco !
Agora foi a vez de Kotomi engolir em seco. Na verdade, ambos tinham a guarda de muitos segredos e podres da vida um do outro, e a relação era sempre tensa. Isto sem falar que  Ryuhiro transava com ela desde que ela tinha quatro anos de idade, sempre a estuprou e sempre a coagiu para fazer sexo com ele desde criancinha.Mas ainda assim, Kotomi resolveu reagir:
-Então devolva minha filha que tive com o senhor, que o senhor violenta todos os dias, apesar de ela ainda ser criança, aliás, como o senhor fez muito comigo !
-Não reclame, vadia !Você gostava e pedia mais ! E nossa filha é ainda mais taradinha que você ! Se você continuar a me enfrentar, mandarei um cavalo estuprar a  Minasa-chan !Agora vamos falar de negócios, já disse !
Diante de tão grave ameaça ‘a sua filha, Kotomi se calou.
-Então esta é a Rio Severe! Filha de minha ex-inimiga, bom, na verdade, agente dupla, e que agora quer se vingar do que a maldita Lune Tamasuki fez com a mãe dela, com o beneplácito dos odiosos Soryu !É muito bom ter uma nova aliada, mas...você está ciente de que precisará passar pelo teste do Motel comigo, para ser aprovada para trabalhar para mim?
-Sim, senhor, terei o maior prazer em abrir minhas pernas ao senhor, contanto que pagues meu preço, como sabes, estou ‘a venda...

(Por Continuar)

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Episódio 242- Admirer Voyages !




Victória saiu da tubulação e entrou na sala. Rápidamente, desmontou o painel técnico do aparelho, e com suas ferramentas eletrônicas, começou a destruir o aparelho por dentro, para que não só ele parasse de bloquear os sinais, como também, ele não pudesse mais ser usado.
Sendo ela uma eficiente especialista, terminou seu serviço em apenas três minutos. Fechou o painel e Dina a ajudou a subir de volta.
-Pronto, agora tanto os sinais de teletransporte como os de comunicações foram desbloqueados e podemos pedir para minha irmã nos transportar !
-Não tão cedo, mocinha!
-Mas era este o plano da Imediata...
-A Capitã pirata mantem em seus calabouços diversas escravas sexuais aqui na nave. Vamos libertá-las e aí sim, subiremos todas a bordo da Admirer !
-Mas Capitã, eu tinha conseguido, com interferência eletrônica enganar o computador e os sensores, mas os piratas não serão enganados por muito tempo, e perigoso !
-É uma ordem expressa, Alferes!
-Sim, Senhora...
-Primeiro preciso avisar a Amber ! Vou usar seu comunicador, já que a Capitã Pirata apreendeu o meu.
-Sim, senhora !
-Alô, Amber, aqui é a Capitã, falando do comunicador da Alferes Victória !
-Sim, Capitã, nós já iremos teletransportá-las !
-Não, espere! Há prisioneiras nesta nave, que vamos libertar, só nos teletransporte quando eu mandar !
-Sim, Capitã !
-Dina desligando !Victória, me dê seu sensor de mão, vamos encontrar o calabouço !
A alferes obedeceu.
-Está a oito decks abaixo, mas não poderemos ir pelas tubulações. Vamos ter de sair perto do elevador, e descer pelas escadas do tubo de elevador até chegarmos lá !
-Mas é suicídio, Capitã, se um elevador passar subindo ou descendo, nos matará facilmente ! E  mesmo que não nos atinja, o deslocamento de ar pode nos fazer cair de uma altura de mais de vinte e quatro metros, ou seja, uma queda fatal !
-Não há outra alternativa, Victória! Oras, isto aqui é uma aventura, e que graça uma aventura teria se não tivesse risco de vida?
-Uóoo !Uóooo ! Alerta Vermelho, Alerta Vermelho !
Era o alarme da nave soando !
-O efeito da minha gambiarra acabou, nos acharam !
-Então vamos correr, Alferes!
Elas logo acharam o elevador, após breve corrida.
-Espere, não chame o elevador, eles podem estar dentro. Abra o painel dele e faça ele abrir as portas, depressa!
-Sim, Capitã!
Victória abriu o painel e fez uma gambiarra e as portas se abriram.
Elas contemplaram o buraco fundo e escuro.
-Venha comigo !
Disse Dina, encontrando os degraus e começando a descer.
-Estou ouvindo o barulho do elevador, ele está descendo, Capitã !
-Todo poço de elevador tem seus recuos de manutenção, entre cada deck, não tem?
-Tem sim!
-Achei um, vamos ficar nele até o elevador passar!
Elas entraram no recuo, que era uma rrentrãncia de setenta centímetros de comprimento por um metro.
-Mas, e o deslocamento do ar?Pode nos jogar no buraco!
-Todo recuo de manutenção tem um armário, onde guardam luvas magnéticas, vamos encontra-lo !
-Achei, e encontrei as luvas!
-Vamos vesti-las e as mantenha bem apertadas. Agora apoie suas mãos nas paredes com as luvas e se segure firme, ele já está chegando!
Foi quando o elevador passou.O vento foi tão forte, que elas ficaram na horizontal por alguns segundos, e depois voltaram ao normal .
-Uff, esta foi por pouco !

(Por Continuar)